Rico e Jovem

O pesadelo da casa própria!

O pesadelo da casa própria!
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Comprar um imóvel não é tão bom negócio como muitos pensam.

Esse post vai deixar o pessoal do "Minha Casa Minha Dívida" magoado.

Mas não se pode  continuar pensando que a aquisição da tão sonhada casa própria é o melhor investimento do mundo. Ao contrário, pode ser muitas vezes a pior decisão que você pode tomar na vida.

Ao travar uma parte significativa de seu ativo em um único investimento, e que não lhe trará renda, você compromete duramente seu futuro e sua independência financeira.

Antes que provoque novamente a ira dos profissionais da área, veja, eu não tenho nada contra imóveis ou corretores e conheço pessoas extremamente inteligentes e bem-sucedidas que possuem imóveis em seu portfólio.

Quero me referir aqui principalmente, àquelas pessoas que juntaram um suado dinheiro e que vão gastar todas as economias na compra da casa própria, além de contrairem uma dívida de vários anos.

Claro que todo mundo sonha em ter seu cantinho. Mas tem que ser agora? Que tal adiar a compra por alguns anos e continuar no aluguel?

Pensando estritamente do ponto de vista financeiro, comprar um imóvel para morar é, sem dúvida nenhuma, um péssimo negócio.

Posso garantir que comprar ações é muito menos arriscado e bem mais vantajoso!

Vou dizer porque é melhor ter ações de boas empresas do que comprar a sonhada casa própria.

#1 - Diversificação

Ninguém consegue prever o futuro.

Eu não sei quais ações vão subir ou cair e muito menos quais bairros e tipos de imóveis vão se valorizar ou não. O máximo que temos são expectativas de mercado e teses de investimento que nada mais são do que “chutes sofisticados”. Saber mesmo o que vai acontecer, ninguém sabe.

Como se proteger do imprevisível?

Pense no seguinte: se todo o seu patrimônio estiver alocado no mesmo ativo, um único fato negativo pode te levar à ruína. Um incêndio em sua casa, a desapropriação de seu apartamento ou mesmo uma piora significativa de sua vizinhança vão acarretar um prejuízo que, em muitos casos, pode inviabilizar todos os seus projetos futuros.

Diante deste fato, convém seguir a velha máxima dos ovos e da cesta e diversificar seus investimentos.

Um apartamento médio custa alguns milhares de reais. Ou seja, é impossível ter uma carteira diversificada de imóveis se você não for milionário.

Já com ações, nada impede que se diversifique com muito menos – coisa de 10 mil reais já é suficiente para adquirir uns cinco ativos diferentes e, assim, não só diversificar as empresas, mas também mercados e indústrias, incluindo o setor imobiliário.

 

#2 - Convexidade

O conceito matemático de convexidade é relativamente complexo, mas vou tentar traduzir seus efeitos sobre investimentos de uma forma simples: ao se investir em determinadas classes de ativo, principalmente ações e opções, as possibilidades de ganho são muito maiores do que de perdas.

O preço de uma ação pode se multiplicar por 4, 10 ou 20 vezes. Os ganhos são, literalmente, ilimitados. Já para baixo, o “chão" é o limite. Uma ação não pode, por definição, valer menos do que 0.

Vamos ao exemplo de Magazine Luiza: em um ano, de dezembro de 2015 a dezembro de 2016, as ações foram de 7,8 reais para 107 reais (mais de 13x).

Se você tivesse comprado 1.000 ações, teria investido R$7.800,00 e hoje teria um patrimônio de R$107.000,00. Bela valorização em apensa um ano heim!.

Já no caso de imóveis, as chances de multiplicações tão dramáticas são bem mais remotas (para não falar impossíveis). Com a menor volatilidade dos preços de ativos imobiliários, é difícil que haja valorizações dessa magnitude em curtos espaços de tempo.

Resta, claro, analisar bem quais ações comprar, para reduzir o risco de perda permanente de capital.

 

#3 - Liquidez

Aqui, a comparação fica até injusta.

A não ser que você tenha uma posição muito grande e relevante de uma determinada ação, é possível se desfazer de toda sua carteira rapidamente, no conforto de sua casa.

O dinheiro estará em sua conta em até três dias após a venda.

Experimente tentar vender um imóvel com urgência. Qual será o desconto para fechar um negócio em pouco tempo? 20 por cento? 30 por cento?

E o prazo para encontrar um comprador e fechar a venda? 30 dias? 60 dias? 1 ano? Quanto tempo até receber a grana?

 

#4 - Custos de Transação

Comprar e vender ações envolve poucos custos: corretagem, emolumento e taxas de liquidação são percentuais pequenos cobrados sobre o valor negociado. Negociando acima de 2 mil reais por vez, os custos ficam bem abaixo de 1 por cento do total.

Já nos casos de imóveis, a taxa de corretagem é da ordem de 6% à cima. Sem contar as taxas de registro, ITBI e demais custos envolvidos na transação.

Aqui, de novo, nada contra os corretores (sejam eles de bolsa ou de imóveis), mas, claro, quanto menos comissões e corretagens forem pagas, melhor para o seu bolso.

 

#5 - Outras Despesas

Para manter suas ações, o único custo é a taxa de custódia que, hoje em dia, pode nem ser cobrada pela sua corretora (várias corretoras estão abrindo mão dessa cobrança). De qualquer forma, esse valor é baixo, cerca de 10 reais por mês se você tiver até 300 mil reais investidos.

Um imóvel, principalmente se pensarmos em quem compra para alugar a terceiros, pode ter custos bastante significativos.

Um apartamento vazio pode te custar, por um longo período, IPTU e condomínio, por exemplo. Isso sem falar os custos recorrentes de manutenção, que são, via de regra, responsabilidade do proprietário.

Pense, se seu investimento der errado, além de não te trazer retorno (imóveis vazios não rendem aluguel), ele pode te CUSTAR uma soma significativa mensalmente.

 Sem contar a dor de cabeça.

 

Enfim, não quero aqui acabar com o setor imobiliário, como alguns possam pensar, apenas abrir os olhos daqueles que querem ter uma segunda opção de investimento, e que lhe trará retorno financeiro ao invés de despesas.

Voltando a questão inicial, aluguel ou casa própria? Com certeza é melhor pagar aluguel, ter boas ações e receber ótimos dividendos, do que ter despesas com o imóvel.

Investindo em ações, seu dinheiro multiplicará, e em um futuro próximo você poderá comprar sua casa sem dívida, quem sabe uma melhor do que você iria comprar hoje.

Fica a dica!;)


 

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter


Olá, deixe seu comentário para O pesadelo da casa própria!

Enviando Comentário Fechar :/